fbpx
comer consciente
comportamento alimentar,  relação com a comida

Comer consciente: 9 coisas que você está esquecendo de fazer!

Comer consciente é o modo de comer com atenção plena, autocompaixão, postura presente no aqui e agora e sem julgamento.

Introdução 

“Fernanda, 32 anos, foi ao cinema e para acompanhar o filme pegou pipoca e refrigerante. Aproveitando os minutos antes de começar o filme, Fernanda respondeu algumas mensagens importantes do trabalho e neste momento começou a comer a pipoca e tomar o refrigerante. Após 5 minutos Fernanda ficou espantada quando levou a mão até o fundo do saco da pipoca percebeu que a mesma havia acabado. Ficou com uma sensação que nem começou a comer e já acabou”.

Quem já passou por uma situação dessas? Você e eu com certeza já vivemos um momento como esse. Mas por quê isso acontece?

Ocorre pela falta de atenção ao comer!

O que é comer consciente? 

Comer consciente é um termo que se refere à atenção na refeição. E quando você está presente no momento da refeição, concentrando naquela atividade e vivendo apenas aquele momento.

O papel do cérebro 

O hipotálamo, região do cérebro, é o responsável pela percepção de fome e saciedade. Ambos os processos são controlados por hormônios e neurotransmissores. Entretanto, o ambiente tem forte influência para que o processo aconteça. E para isso ocorrer contamos com os 5 sentidos. Sim, os velhos conhecidos olfato, paladar, audição, visão e tato.

Quem nunca ficou com água na boca só de sentir o cheiro de algum alimento?

E aquele ditado “Comer com os olhos”?

O ato de comer começa muitos antes da ingestão do alimento. Todos os sentidos sinalizam para o cérebro que estamos próximos de uma decisão de escolha alimentar e isso vai preparando o nosso corpo para receber aquele alimento.

A boca é preenchida por saliva que vão auxiliar na umidificação e mastigação do alimento, no estômago inicia a liberação do ácido que vai auxiliar na digestão e o alimento segue para o intestino, onde é sinalizado para o cérebro que está  na hora de parar de comer.

Esse é um processo básico do caminho da fome até a saciedade, porém como aconteceu com a personagem do começo deste texto, a Fernanda, a distração provoca a falta de percepção da saciedade.

O comer torna-se um processo mecânico, onde você não percebe o sabor, a consistência, velocidade que está comendo e quando se dá conta a comida já acabou e você nem aproveitou.

comer consciente

Mindfulness eating 

Agora você deve estar pensando que é só afastar o celular, desligar a TV e ficar frente a frente com a comida que o problema está envolvido.

Certo? É o caminho, mas não é apenas isso.

E esse algo a mais no momento das refeições é trazido pelo mindfulness eating que traduzindo para o português significa comer com atenção plena.

Quero frisar as duas últimas palavras “atenção plena”, pois são elas que fazem toda a diferença no que você já deve ter lido por aí sobre comer consciente. Atenção plena envolve trazer a mente para o momento presente, envolver todos os sentidos e comer sem julgamento.

É comum querermos uma alternativa saudável, mas no meio do caminho depararmos com visões dicotômicas de bom X mau, vilão X mocinho, alimento que emagrece X alimento que engorda.

Todos esses termos nos provoca a julga, condenar e exaltar os alimentos. Uma cena clássica é uma pessoa estar comendo bombom pensando terá que fazer exercício para compensar, que não tem força de vontade e é uma incompetente por não seguir o que a mídia diz ser alimentação saudável.

No meio desses pensamentos foi uma caixa inteira de bombom. A pessoa saiu frustrada pelos ataques proferidos por si mesma e por não ter aproveitado todo o sabor do chocolate.

Autocompaixão

Ainda dentro do mindfulness eating existe a promoção da autocompaixão.

Sabe aquele momento que um amigo está triste e você o consola? Ou quando uma criança cai e você corre para ajudá-la e diz que não há nada de errado em cair e que vai ficar tudo bem? E quando você abraça e diz palavras de incentivo para outra pessoa?

Então, podemos dizer que isso são ações de compaixão. E autocompaixão seria fazer todas essas ações consigo.

Mas, a nossa tendência quando fazemos algo errado é de tomar uma postura autocrítica tóxica que não ajuda em nada. E isso piora no momento que estamos vivendo uma alimentação orientada pelo mundo fitness, parece que acordar às 5h00, comer alimentos sem glúten, sem lactose, tomar shake e ter barriga cheia de gominhos é o único caminho para ser saudável ou conquistar seu objetivo na alimentação e no corpo.

Errar durante o processo de mudança é absolutamente normal, afinal você nunca viveu aquela realidade, então não conhece todos os caminhos a serem tomados.

A autocompaixão entra quando aquela fase de empolgação passa, onde você dizia que iria cortar o doce para sempre da sua vida  e a salada seria o prato número 1 da sua lista de alimento preferidos. Em momentos como você tenta controlar seu julgamento e entender que o que você está passando faz parte da circunstância, essa consciência ajuda-o a não chutar o pau da barraca e continuar seguindo no processo de mudança da alimentação.

Meditação 

A meditação é uma atividade que auxilia no comer consciente, pois a prática aumenta o foco e a atenção. Visto que mesmo que diminuamos ou paremos o julgamento, os pensamentos que levarão a outros pensamentos poderão surgir tirando a concentração do momento presente. Dentro do mindfulness eating a meditação é focada na respiração como forma de trazer a mente para o instante presente.

9 coisas que você está esquecendo de fazer!  

Até aqui falamos sobre a importância do comer consciente para você seguir uma alimentação saudável, diminuir sua ingestão alimentar (caso seja necessário) e para seguir perseverante no processo de mudança.

Todavia, quais são as ações que você está esquecendo para comer de forma consciente?

Abaixo vou listar 9 ações. Vamos lá?

1. Não reservar tempo para comer: Com a vida corrida que temos é comum deixarmos tudo para resolver num dia só, porém para aproveitar melhor sua refeição o conselho é dividir essas tarefas em outros dias.

2. Não largar o celular por nada: Não desconectar nenhum uns minutos para comer não é um sinal. Vem para o mundo rela, aqui além de ver, você pode provar a comida (hahaha).

3. Não ser compassivo consigo: Ser o seu próprio general do mal não vai ajudar a ter uma alimentação melhor.

4. Ter uma boa relação com a comida: Julgar os alimentos, fazer despedidas dos doces no fim de semana, começar a dieta na segunda e jogar tudo pro alto na quarta…bem típico das dietas espalhadas por aí. Resolveu seu problema? Aposto que não.

5. Acreditar o seu poder de mudança: Esquecer disso é sentir a falta de confiança. Acreditar na sua capacidade de seguir uma alimentação saudável faz toda a diferença no processo de mudança. Confiar no seu corpo e no que ele está te dizendo é importantíssimo.

6. Comer sem culpa: Aquele sentimento que fica martelado antes, durante e depois da refeição, causa uma angústia só  e não deixa você concentrar no que está fazendo.

7. Perceber em qual momento está saciado: As ações descritas acima contribuiu para você ficar e não saber em qual momento deve parar de comer.

8. Não lembrar dos 5 sentidos: Não associá-los à refeição é a maneira de estar desconectado dos seus sinais de fome e saciedade.

9. Respeitar as próprias vontades: Sim, vai chegar o momento que você vai querer comer algum doce e saber lidar com isso é melhor do que ignorar a vontade.

Conclusão 

Você aprendeu que o comer consciente é importante para seguir uma alimentação saudável, pois além de nutrientes é preciso uma mudança de postura em relação com à comida. O não julgamento, a meditação e autocompaixão são ótimos auxiliares nesse processo proporcionado pelo mindfulness eating. Ações do dia a dia podem influenciar o modo que comemos, por isso é interessante ir corrigindo-as com intuito de estabelecer uma boa relação com a comida.

Gostou do texto? Curta a fanpage para ficar ligado nas novidades do blog.

One Comment

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *